Ato ocorreu nesta sexta-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente.

Polícia Militar afirma que manifestantes 'não tinham autorização para levantar estrutura'.

Boneco inflável representa Bolsonaro com motosserra, sangue e gravata nas cores dos EUA ASIBAMA-DF/Divulgação Na data em que é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente, nesta sexta-feira (5), a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) impediu que um grupo de ativistas inflasse um boneco que representava o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com uma motosserra, suja de sangue, usada como faixa presidencial.

A manifestação ocorreu por volta das 12h, na Praça dos Três Poderes .

No Dia Internacional da Enfermagem, PMDF impede profissionais de fazer manifestação Movimento negro protesta em Brasília e pede saída do presidente da Fundação Palmares PM diz que apura uso de cavalaria em protesto no domingo, em Brasília Na caricatura, o presidente também usava uma gravata nas cores da bandeira dos Estados Unidos.

Segundo Alexandre Gontijo, presidente da Associação dos Servidores Federais da Área Ambiental (Asibama-DF), o boneco era "um recado para mostrar o quanto é importante manter o meio ambiente preservado [...] coisas que estão se perdendo nesse governo e não são prioridade". "Eles, equivocadamente acreditam que meio ambiente é entrave, mas não há desenvolvimento sem meio ambiente." Em nota, a Polícia Militar informou que "não impediu a manifestação".

O comunicado diz que "foi esclarecido que o boneco não poderia permanecer no local, visto que os manifestantes não possuíam autorização para levantar a estrutura".

PM impede manifestantes de inflarem boneco na Praça dos Três Poderes Arquivo pessoal O grupo saiu da Praça dos Três Poderes e voltou a inflar o boneco em frente ao Ministério do Meio Ambiente.

Mas retirou-o, em seguida. Ato pelo Meio Ambiente No ato na Esplanda dos Ministérios, os manifestantes pediram a saída do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Uma das faixas continha dizeres como "Essa boiada não vai passar.

Fora Salles", em referência à declaração do ministro durante uma reunião no do dia 22 de abril (veja vídeo abaixo). Entidades ligadas ao meio ambiente criticam fala de Ricardo Salles durante reunião ministerial Salles sugere usar pandemia para fazer mudanças na área ambiental: 'Ir passando a boiada' À época, Salles alertou os ministros sobre o que considerava ser uma oportunidade trazida pela pandemia da Covid-19: para ele, o governo deveria aproveitar o momento em que o foco da sociedade e da mídia está voltada para o novo coronavírus para mudar regras que podem ser questionadas na Justiça. Ricardo Salles revoga ato que permitia cancelar infrações ambientais e regularizar invasões na Mata Atlântica Desmatamento na Mata Atlântica cresceu 27% entre 2018 e 2019, aponta relatório Boneco inflável com caricatura do presidente Bolsonaro Marcus Oliveira/Asibama-DF Depois da divulgação do vídeo, o ministro se justificou em uma rede social.

"Sempre defendi desburocratizar e simplificar normas, em todas as áreas, com bom senso e tudo dentro da lei.

O emaranhado de regras irracionais atrapalha investimentos, a geração de empregos e, portanto, o desenvolvimento sustentável no Brasil", disse Salles. Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.